Carta Aberta aos Partidos Comunistas e Operários


PCB

O PCB NO ENCONTRO MUNDIAL DOS PARTIDOS COMUNISTAS

A cidade brasileira de São Paulo recebeu, entre os dias 21 e 23 de novembro, o 10° Encontro Internacional dos Partidos Comunistas e Operários. O evento contou com a participação do Partido Comunista Brasileiro (PCB), cuja intervenção, feita pelo Secretário Geral Ivan Pinheiro, ressaltou a necessidade de uma plataforma comunista de enfrentamento à crise do capitalismo e apresentou um proposta de privilegiar a luta pela paz democrática com justiça social e econômica na Colômbia.

Abaixo, a Comissão Política Nacional do PCB informa o porquê de o Partido ter se retirado do Ato em Solidariedade à América Latina, ocorrido durante o Encontro e organizado pelo partido anfitrião, o também brasileiro PCdoB.

(Veja, fotos da participação do PCB no Encontro)

Carta Aberta aos Partidos Comunistas e Operários

Caros camaradas

X Encontro Mundial de Partidos Comunistas e Operários

O Partido Comunista Brasileiro (PCB) se dirige aos camaradas para esclarecer as razões que nos levaram a decidir pela retirada de nossa militância do Ato de Solidariedade à América Latina, realizado no último dia 22 novembro, em São Paulo, nos marcos do X Encontro Mundial dos Partidos Comunistas e Operários:

  1. O PCB é parte integrante do movimento comunista internacional desde sua fundação, em 1922, sob inspiração da Revolução Russa, e se orgulha de ter sido solidário ao Partido Comunista da União Soviética – em que pesem algumas diferenças – até a derrocada das experiências de construção do socialismo no leste europeu;
  2. Em função de nossa ausência, por razões de ordem material, no penúltimo Encontro Mundial dos Partidos Comunistas, na Bielo-Rússia, o PCdoB se credenciou como anfitrião deste Encontro recém realizado no Brasil;
  3. Quando soubemos que o Encontro deste ano seria no nosso país, procuramos os companheiros e oferecemos toda a ajuda possível, para que o evento fosse coroado de êxito. Os companheiros ignoraram nosso apoio, sonegaram informações e procuraram por todos os meios se apresentar ao movimento comunista internacional como únicos representantes dos comunistas brasileiros, tentando transformar o PCB em mero ator coadjuvante;
  4. As manobras para tentar esconder o PCB não pararam aí. Conforme os camaradas puderam observar, fomos excluídos de todas as comissões e mesas do Encontro, num gesto de falta de camaradagem e espírito unitário, que não deve ter passado despercebido;
  5. Em respeito aos camaradas dos Partidos irmãos, silenciamo-nos diante de todas as manobras, para evitar constrangimento. Entretanto, não poderíamos ficar de braços cruzados diante da tentativa desleal de esconder o nosso partido no Ato de Solidariedade à América Latina, do qual só ficamos sabendo poucos dias antes da realização, apesar de o PCB ser hoje o partido brasileiro mais dedicado à solidariedade e à luta dos povos da América Latina;
  6. Comparecemos ao ato com mais de cem militantes do nosso Partido, com nossas bandeiras e palavras de ordem internacionalistas. Mas o ato foi monopolizado e aparelhado pelo PCdoB. O PCB foi o único partido brasileiro presente não convidado a compor a mesa nem a fazer uso da palavra, direitos assegurados apenas a representantes de partidos que apóiam o governo brasileiro, muito embora estes não tenham mobilizado militantes para o ato;
  7. Transformaram um ato de solidariedade dos partidos comunistas aos povos da América Latina em ato de apoio a governos, inclusive ao governo Lula, ao qual nos opomos no Brasil;
  8. Numa atitude provocativa, exibiram um filme insinuando-se como os herdeiros no Brasil do movimento comunista internacional, numa falsificação grosseira da história do PCB. Na verdade, o PCdoB foi criado em 1962, por um grupo de dissidentes do PCB. De início, alinharam-se ao maoísmo e, em seguida, ao Partido do Trabalho da Albânia. Com a queda do socialismo nesse país, passaram a integrar o movimento comunista internacional;
  9. Além disso, dirigentes do PCdoB deslocaram seguranças para cercar e tentar intimidar a nossa militância, enquanto o seu Secretário de Relações Internacionais, com o poder do microfone oficial à mão, instigava os filiados de seu partido a entoar refrões partidários, como um chefe de torcida organizada de time de futebol;
  10. Diante dessa situação, nosso Partido decidiu retirar-se do ato, após a audição do Hino Nacional Brasileiro e a leitura do nome de todos os partidos irmãos presentes. Nossa atitude foi um ato de auto-estima e de respeito ao passado, ao presente e ao futuro de nosso partido. Foi também um libelo contra a manipulação, a arrogância, a auto-proclamação e a falsa retórica de unidade.

Aproveitamos o ensejo para expressar aos camaradas de todo o mundo nossas saudações revolucionárias e fraternas.

Rio de Janeiro, 9 de dezembro de 2008

Comissão Política Nacional do PCB

Partido Comunista Brasileiro

FONTE: PCB

Anúncios

Um comentário em “Carta Aberta aos Partidos Comunistas e Operários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s