Sobre um desaparecido


Publicado em 11.04.2009
Juracy Andrade – juracy@jc.com.br

Sábado passado, eu falava sobre o zoológico político e a exceção constituída pelo PCB, que completou recentemente 87 anos, a maioria dos quais na clandestinidade imposta pelos donos do poder. Encolhido devido a dissidências e à fragmentação da esquerda nos anos que se seguiram ao golpe de 1964, o velho Partidão continua coerente na busca de uma mudança política realmente socialista, que leve a humanidade a não ser mais diferenciada e tratada por classes sociais, mas pela capacidade e necessidade de cada um. É o ideal esboçado, muito antes do Manifesto comunista e de O capital, pelo livro dos Atos dos Apóstolos, que conta a implantação da Igreja de Cristo no Oriente Médio e do mundo greco-romano.

Coincidentemente com o aniversário do PCB, a Assembleia Legislativa de Pernambuco prestou uma homenagem, iniciativa da deputada Tereza Leitão (PT), ao pluricombatente David Capistrano da Costa, que comandou o Partidão em Pernambuco, foi eleito deputado estadual em 1945, durante um breve período de legalidade partidária que terminou em 1947, com a cassação do respectivo registro e dos mandatos de todos os senadores, deputados federais e estaduais e vereadores eleitos pela legenda, que não eram poucos. Só a Casa de Joaquim Nabuco tinha nove deputados comunistas. Ele havia combatido antes na Guerra Civil da Espanha (1936-39) e na Resistência Francesa (1940-44).

Com o golpe militar de 1964, os comunistas novamente se dispersaram na clandestinidade. Depois de algum tempo se virando por aqui mesmo, Capistrano foi para o exílio na então Checoslováquia. Quando voltava para cá, pela fronteira argentina no Rio Grande do Sul, foi detido na viagem para São Paulo, junto com o companheiro José Romam, e desde então está na lista dos desaparecidos. Nem o governo de Lulinha Paz e Amor consegue fazer com que os responsáveis pela repressão divulguem o paradeiro deles e de outros cuja morte não assumem.

Recentemente, pesquisas e o testemunho de militar que trabalhou no DOI-Codi revelaram que eles foram torturados até a morte e jogados por aí. A instituição militar não reconhece até hoje os erros que cometeu, mas algumas pessoas que participaram da fase mais animalesca da ditadura começam a abrir a boca, em off ou assumidamente.

O secretário de Direitos Humanos da Presidência, Paulo César Vannucci, trabalha e pressiona para que os arquivos dos órgãos de repressão sejam abertos. A esta altura, muita coisa já foi destruída e ninguém foi punido por isso, pois Lula é temente a Deus, a dona Marisa e às Forças Armadas. Da mesma maneira como ele mandou passear Marina Siva, uma cabocla dos povos da floresta decidida a garantir a segurança ambiental do nosso País, e pôs no lugar dela aquele palhaço dos coletes, poderá defenestrar também o Vannucci e substituí-lo pelo coronel Jarbas Passarinho, o Vitorioso, ou, quem sabe, pelo capitão-deputado Jair Bolsonaro.

Enquanto isso, os desaparecidos da ditadura, que estavam sob a guarda do Estado mas cuja eliminação ninguém assume e cuja cova rasa permanece ignorada dos familiares e amigos, continuam como assombrações a perturbar o multissecular sucesso do jeitinho brasileiro. Uma amarga pizza. E a Folha de S. Paulo ainda lança a mistificação da ditabranda…

À homenagem da Assembleia Legislativa compareceu a viúva de Capistrano, Maria Augusta, que deu uma entrevista a Ciro Rocha, (JC de 29/3/09). Ele deixou um filho, também David Capistrano, que foi prefeito de Santos (SP) e morreu de leucemia em 2000, e duas filhas, Maria Cristina e Carolina.

Aproveitando o restinho de espaço: quando falo de comunismo, não apago os erros cometidos em seu nome, a começar pela confusão entre socialização e estatização.

Juracy Andrade é jornalista

FONTE: http://www.pcb.org.br/desaparecido.htm

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s