SENDO JUSTO PARA COM CUBA


IMG_4718-1024x768.jpg
Cuba

Por Timothy Bancroft-Hinchey

Como o Presidente Obama disse durante a campanha eleitoral: “O mundo mudou e precisamos de mudar com ele”. Enquanto existe um novo processo de refrescamento do diálogo entre Washington e Moscovo, é hora de a comunidade internacional examinar o caso de Cuba e formular uma política mais condizente com as normas da diplomacia do que com a birra monumental de Washington há décadas…desde que os senadores e deputados perderam seu jardim de recreio.

Cuba, a vítima do terrorismo internacional patrocinado por Washington

Cuba tem sido acusado, ao longo dos anos, de tudo. No entanto, Fidel Castro foi vítima e não autor de numerosos atentados terroristas. Não foi o Governo cubano, que explodiu o navio francês La Coubre em Havana em março de 1960, não foram as forças armadas cubanas que perpetraram um ataque terrorista em Playa Girón, em 1961. Foi Luis Posada Carriles, protegido pelo Governo dos E.U.A., que com Orlando Bosch, realizou um atentado terrorista contra um avião cubano em 6 de outubro de 1976.

Em 1971 e 1980, estirpes do vírus da gripe suína foram introduzidos em Cuba a partir das bases dos E.U.A. em Fort Gullick, Canal do Panamá e da Baía de Guantánamo, em Cuba, de modo atingir a população cubana e privá-la de um dos seus principais produtos alimentares. Em 1978, a guerra bacteriológica foi realizada mais uma vez contra Cuba, desta vez visando a produção do país de cana de açúcar.

Em 1981, o grupo terrorista Omega-7 (patrocinados pela CIA e FBI) assassinou o diplomata cubano Félix García Rodríguez, em Nova York. Onze ataques terroristas foram realizadas sob o comando de Posada Carriles em 1997, em Havana, para tentar destruir a indústria turística cubana. Em 2000, foi Posada Carriles, desta vez preso na Cúpula Ibero-americana na Cidade do Panamá, com três cúmplices, na posse de explosivos C4 e Semtex.

Como o presidente Obama diz, o mundo mudou. Ou não?

Cuba, campeã da igualdade racial e liberdade

Ao invés de atacar outros Estados soberanos ou realizar ataques terroristas, Cuba tem uma longa história de acções de solidariedade e de luta para a liberdade, totalmente ignorada pela imprensa internacional.

350.000 cubanos lutaram voluntariamente para o bem de milhões na África que viviam sob o jugo do imperialismo; 35.000 africanos receberam treinamento – de graça – em Cuba. Médicos cubanos foram disponibilizados para servir em dezenas de países em vias de desenvolvimento, enquanto dezenas de milhares de doentes dessas regiões têm sido tratados – gratuitamente. Médicos e paramédicos cubanos ofereceram seus serviços em Nova Orleães depois do furacão Katrina. Eles nem receberam um agradecimento.

Para aqueles que acusam o Governo de Cuba de ser anti-democrático, não há resposta para a ignorância, exceto para sugerir que eles estudem o sistema eleitoral cubano, que é na verdade um exemplo de participação democrática. A Constituição da Cuba hoje proíbe qualquer forma de discriminação racial ou sexual.

Para Nelson Mandela, “os cubanos vieram para nossas regiões como médicos, professores, militares, especialistas em agricultura, mas nunca como colonizadores”. Hoje, no Haiti, a maioria da população goza (gratuitamente) a prestação de cuidados de saúde cubanos.

Portanto, se o mundo mudou, se que a comunidade internacional saudasse a Cuba como um igual, ajudando a estimular as relações e não saboteando-as, ajudando o povo cubano na sua de ajudar os outros e não tentando sufocá-lo com um bloqueio?

Fonte: http://convencao2009.blogspot.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s