O caso de amor de Michael Moore com o capitalismo


capitalism_a_love_story.jpg
Capitalismo, uma história de amor

O novo filme de Michael Moore, “Capitalism: A Love Story” , revela muito do carácter criminoso do actual sistema económico dos EUA. E faz isso no seu habitual estilo popular. Mas o filme também reflecte o facto de que Moore ainda não ultrapassou o seu caso de amor com o capitalismo.

Em “Roger and Me,” “Bowling for Columbine” e “Sicko,” Moore demonstrou uma vontade real de revelar a cupidez do titãs das companhias automobilísticas dos EUA, a violência que permeia o próprio tecido da sociedade imperialista estado-unidense e a barbárie do seu sistema de cuidados de saúde em comparação aos cuidados de saúde proporcionados no Canadá, Inglaterra, França e, mais espantosamente, Cuba. Igualmente impressionante tem sido a sua capacidade de retratar estes assuntos de uma maneira que o povo dos EUA possa entender e admitir. Como filho de um trabalhador reformado da cidadela histórica da General Motors, Flint, Michigan, Moore tem um sentimento excepcionalmente bom daquilo que culturalmente mantém os trabalhadores dos EUA leais aos seus mestres corporativos. E os seus filmes contêm elementos visuais dramáticos e acontecimentos político-sociais que ajudam a destroçar os nós que unem a população dos EUA ao imperialismo estado-unidense.

Mais uma vez, no novo filme, Moore escolhe alguns exemplos ultrajantes “capitalismo selvagem” nos EUA. Ele destaca, por exemplo, o brilhante esforço do piloto da U.S. Airways, “Sully” Sullenberger, cuja habilidade no comando foi decisiva para salvar as vidas de toda a sua tripulação e passageiros com uma arrojada amaragem no Rio Hudson. O comandante Sullenberger, um orgulhoso sindicalizado, é então mostrado a usar a sua nova fama para testemunhar perante o Congresso como os pilotos de carreira estão a ter o seu treino e o seu pagamento cortado tão drasticamente que está a agravar-se um problema de segurança na indústria das linhas aéreas. Moore apresenta a prova disto, apontando para os mal treinados e mal pagos pilotos cujo avião estraçalhou-se em Buffalo, Nova York, uns poucos meses atrás, enquanto o piloto e o co-piloto estavam preocupados a discutir as suas desgraças financeiras.

Moore chama atenção para o estreito relacionamento que existiu durante alguns anos entre uns poucos juízes da Pennsylvania e a companhia privada que explora o centro de detenção juvenil local, do qual os juízes recebiam subornos. A privatização desta prisão resultou nestes juízes comprados a trancafiar jovens inocentes, durante muitos meses, a fim de manter as instalações cheias e maximizar os lucros da companhia. Que falta de vergonha ao serviço da cupidez!

No filme, Moore desenrola uma fita amarela de cenário do crime em torno do quarteirão da Wall Street onde estão companhias financeiras cúmplices no colapso da economia em 2008, as quais desde então têm sido as beneficiárias de salvamentos de muitos milhares de milhões de dólares do governo dos EUA. Ele tenta efectuar uma “prisão” dos chefes criminosos destas corporações. Também identifica um certo número de políticos democratas e seus nomeados que foram cúmplices dos republicanos de Bush-Cheney neste roubo “à luz do dia” do tesouro nacional dos EUA por conta dos seus patrões bilionários da Wall Street.

Todas estas cenas são intelectualmente instigantes e proporcionam algum “ar fresco” de verdade à população dos EUA anestesiada pelo álcool, pelas drogas receitadas e as de rua e por uma TV estupidificante orientada pelo monopólio capitalista dos mass media.

Ao mesmo tempo, Moore apresenta um certo número de imagens dramáticas e situações os quais mostram alguns sinais de esperança nas iniciativas do povo trabalhador. Ele levanta o facto de que os trabalhadores nos EUA gastam oito, dez ou doze horas do dia sob a ditadura dos seus patrões. E promove a democracia no lugar de trabalho e o êxito de negócios cooperativos dirigidos por trabalhadores. Moore também dá muita atenção à greve com ocupação dos trabalhadores da Republic Windows, de Chicago, em Dezembro de 2008. E é apoiante do seu sindicato pequeno mas democrático, o United Electrical Workers (UE). Destaca que o povo dos EUA, num momento em que a sua raiva com os bancos e as corporações estava no máximo, era simpático para com os grevistas que alcançavam as suas reivindicações em relação a todos os seus benefícios de indemnização estabelecidos contratualmente.

Entretanto, Michael Moore afirma esperar que o seu novo filme, “Capitalismo: Uma história de amor”, estimule o povo dos EUA a abolir o capitalismo aqui. E é importante notar que Moore não atinge com seriedade o seu objectivo declarado.

Durante a eleição presidencial de 2004, a nossa organização apelou aos eleitores estado-unidenses a “depositar o seu voto contra os partidos gémeos do imperialismo, Tweedledum e Tweedledee [1] , a efectuar um voto de protesto”. Uma das três recomendações alternativas que fazíamos era: “Escreva ‘Michael Moore’ em homenagem ao seu filme ‘Fahrenheit 9/11’ que ajudou a educar mais a classe trabalhadora dos EUA e as pessoas das nacionalidades oprimidas acerca da Guerra de Bush do que todos nós da esquerda estado-unidense em conjunto!”. Contudo, acrescentámos: “Mas é uma vergonha para ele apoiar Kerry”. (“The 2004 U.S. Presidential Election and the Question of Fascism,” Ray O’ Light Newsletter, September 2004)

Acontece que o endosso de Moore ao multi-milionário John Kerry, o candidato do Partido Democrata, foi mais do que uma fraqueza momentânea ou um incidente político. Pois, mais uma vez, na eleição presidencial de 2008, Moore apoiou o candidato democrata contra o republicano. E desta vez o homem apoiado era de cor, com alguns notáveis feitos educacionais e com uma família negra aparentemente dignificada e saudável. O candidato era também de origens muito mais humildes do que o companheiro de George W. Bush na Yale University e membro da sociedade Skull and Bones, John Kerry. Todos estes atributos pessoais tornaram Barack Obama estimável a Michael Moore.

Agora, com Obama como presidente em exercício e com a persistente defesa de Obama por parte de Moore, como pode ele apelar efectivamente à eliminação do capitalismo nos EUA de hoje? Não pode.

Dentre as imprecisões, omissões e distorções deste filme que o torna um apelo não à eliminação mas sim à continuação do capitalismo, embora de um modo mais razoável, numa forma pacífica, encontra-se o seguinte:

(1) Moore separa a política da economia do sistema capitalista ao invés de reconhecer que o cerne do capitalismo é dialecticamente interligado à política económica. Afirma desejar a eliminação do sistema económico capitalista; mas enterra a lugar pelo poder político que isso implica. Ao invés de reconhecer o papel estratégico da classe trabalhadora na eliminação do capitalismo, através da luta pelo poder dos trabalhadores contra o estado capitalista, o filme de Moore limita o papel da classe trabalhadora à luta por reformas económicas tais como cooperativas de trabalhadores.

(2) Moore distingue a abolição do capitalismo estado-unidense da abolição do Império estado-unidense, em contradição com os ensinamentos de Lenine de que o imperialismo é a última, final e superior etapa do capitalismo. A sua concepção pequeno-burguesa do capitalismo estado-unidense é um regresso aos dias primitivos dos Estados Unidos de dois séculos atrás, ou, ainda mais, aos dias primitivos do novo e ascendente capitalismo na Europa feudal. Ele centra-se inteiramente nos EUA e seu povo, como se a economia do país não estivesse totalmente interligada ao resto da economia capitalista global dirigida pelos EUA. No filme, por exemplo, as guerras imperialistas no Iraque e no Afeganistão não são explicadas como decorrendo da essência do sistema capitalista estado-unidense. Elas são tratadas apenas sob o aspecto de que afectam o povo dos EUA, omitindo o impacto que o sistema capitalista dos EUA tem sobre os trabalhadores e povos oprimidos do Iraque, Afeganistão e tantas outras terras. A expansão da guerra do Regime Obama ao Afeganistão e ao Paquistão é, claro, omitida. Isto é social-chauvinismo.

(3) Moore nunca menciona o papel da União Soviética, cujas tremendas realizações internas durante o período da última Grande Depressão Capitalista, cuja liderança da aliança global que derrotou o fascismo alemão e seus aliados do eixo na Segundo Guerra Mundial e cuja liderança na criação de um campo socialista, apontam o caminho para uma futura humanidade socialista. Ao invés disso, a Alemanha capitalista, o actual estado chinês e uns poucos outros estados capitalistas são arvorados por Moore como modelos de um capitalismo mais eficiente e menos brutal do que os EUA em relação à indústria automobilística, etc. Na verdade, o capitalismo mais civilizado, mais democrático, é o limite da visão de Moore para os EUA. Quando perguntado se é um social-democrata, Moore responde que é pela democracia. (Ele é claramente um social-democrata pelos padrões mundiais. E a sua fuga a esta etiqueta reflecte o seu temor do extremo atraso política da população dos Estados Unidos após décadas de Império americano, isto é, de hegemonia imperialista estado-unidense e a consequente cultura parasita e corrupta da sua sociedade.)

(4) O filme de Moore nunca denuncia Obama e a actual administração democrata. Ele denuncia o facto de que, na actual crise capitalista, políticos democratas bem como republicanos e os conselheiros financeiros a eles associados, incluindo Robert Rubin, Lawrence Summers e Timothy Geithner, têm servido lealmente os corruptos capitalistas da Wall Street que hoje dominam os EUA.Mas Moore omite o facto gritante e crucial de que Obama nomeou estes mesmos serviçais como supervisores da economia dos EUA, causando uma ininterrupta transição capitalista monopolista da desacreditada administração Bush de modo a continuar a “salvar os capitalistas financeiros ao invés de prendê-los!”. Uma omissão total!

(5) O que está fora da visão de Moore em relação a Obama está longe de ser pessoal. No fim da entrevista de Moore a The Nation, a entrevistadora Naomi Klein louva Elizabeth Warren, a chefe do comité do Congresso de observação do salvamento, que surge no filme como uma mulher íntegra. Diz Klein: “Ela é até certo ponto o anti-Summers. É o suficiente para dar esperança, saber que ela existe”. Resposta de Moore: “Absolutamente. E posso sugerir um candidato presidencial para 2016 ou 2012 se Obama nos decepcionar ? A Marcy Kaptur [congressista de Ohio] e Elizabeth Warren” [ênfase minha]. Portanto Michael Moore, que apoiou John Kerry em 2004 e Barack Obama em 2008, está a anunciar previamente que apoiará o candidato democrata a presidente em 2012 ou 2016 mesmo se Obama trair a confiança do povo. Chega de apelos de Moore à eliminação do sistema capitalista nos EUA!!

No princípio da mesma entrevista, afirma Klein que “a maior parte das pessoas são favoráveis a cuidados de saúde universais, mas elas não podiam agrupar-se por trás desta causa porque ela não estava sobre a mesa”. Em resposta, Moore gentilmente critica Obama por optar “por tomar uma meia medida ao invés da medida plena que precisaria acontecer. Tivesse ele tomado a medida plena – a verdadeira, pagador único, cuidados universais de saúde – penso que teria tido milhões a apoiá-lo”. Da mesma forma, se Moore não estivesse com meias medidas em relação a Obama e os democratas, o seu desejo declarado de que o filme despertasse e arregimentasse o povo dos EUA para “eliminar o capitalismo” podia ter sido bastante efectivo.

Conclusão: O filme mais recente de Michael Moore, “Capitalismo: Uma história de amor” não é um filme do proletariado revolucionário, ele não organiza a classe trabalhadora e os povos oprimidos dentro do estado multinacional estado-unidense ao combate para acabar com o capitalismo e pelo estabelecimento dos EUA socialista. Contudo, o filme levanta a noção fundamental do carácter “perverso” do sistema capitalista e a ideia de acabar com este sistema. Consequentemente, é uma ferramenta educacional e organizacional válida no combate pela justa para os trabalhadores, pela abolição do sistema capitalista e pelo estabelecimento dos EUA socialista.

Aqueles de nós que desejam sinceramente a eliminação do sistema capitalista dos EUA e do mundo, e querem trabalhar para este fim, têm como responsabilidade utilizar o mais recente filme de Michael Moore, “Capitalismo: Uma história de amor” em favor da causa revolucionária. Como lutamos para ganhar os corações e mentes dos trabalhadores e dos oprimidos pela luta revolucionária para os EUA socialista e um mundo socialista, convidemos os nossos amigos e companheiros de trabalho a ir ao cinema connosco. Discutamos com os trabalhadores e os oprimidos os prós e contras deste filme agitador e educativo. Deste modo, nós, e não Michael Moore, podemos tornar o filme um veículo para a eliminação do sistema capitalista.

[1] Personagens gémeos em Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll.

[*] Adaptação do artigo principal em Ray O’ Light Newsletter, #57, “‘American Exceptionalism’ in the Obama Era”.

O original encontra-se em http://www.northstarcompass.org/current.html

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/crise/m_moore_capitalism.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s