Mais uma razão para a direita odiar a ciência


por Too Much [*]

Os conservadores esperam que a investigação do genoma humano ajude a provar que a natureza, não ordens sociais desiguais, determinam quem acaba por se tornar doente e pobre. Mas os nossos genes têm-se recusado a cooperar.

Um psicólogo clínico notável pelas suas observações sobre como a desigualdade afecta o que se passa nas nossas cabeças está agora a divulgar algumas percepções fascinantes, baseadas em nova investigação acerca de quanto a desigualdade reflecte o que está a acontecer nos nossos genes.

Este psicólogo clínico britânico, Oliver James, escreveu muito ao longo dos últimos anos acerca do que denomina “ansiedade pela riqueza” (“affluenza”) [NT] , o “vírus” induzido pela desigualdade que nos conduz a um nível sempre mais alto de dinheiro, posses e fama.

A affluenza, destacou James, varia amplamente na sociedade. Quanto mais desigual for a distribuição de rendimento e riqueza numa sociedade, mais affluenza e mais elevada a incidência de doenças mentais que a affluenza tão seguramente engendra.

Os apologistas de ordens sociais desiguais sempre, naturalmente, contestaram qualquer ligação entre doenças mentais e o ambiente económico e social. Que pessoas de baixo rendimento sofram depressão a níveis duplos das pessoas de alto rendimento, acreditam estes apologistas, sugere apenas que pessoas na base nasceram neste mundo com mais “deficiências pessoais” do que as do topo.

“A direita política acredita que os genes explicam amplamente porque os pobres são pobres, assim como terem uma probabilidade dupla de serem mentalmente doentes”, como observa James. “Para elas, os pobres são lama genética, afundada na base do charco genético”.

A prova científica deste afundamento, exultava a direita uma década atrás, viria quando “avanços rápidos na genética e na neurociência” – o projecto genoma humano e toda a investigação em torno dele — revelasse a verdadeira “história da natureza humana”.

A investigação do genoma humano, como opinou dez anos atrás o cientista político Charles Murray junto à organização de extrema-direita American Enterprise Institute, “está em vias de contrair e abalar o espaço para certas posições políticas”.

“Estou a prever que os provérbios da direita geralmente demonstrar-se-ão mais próximos do alvo do que os provérbios da esquerda”, escreveu Murray, “e que muitas das causas da esquerda revelar-se-ão incompatíveis com o modo como os seres humanos são programados (wired) “.

Com mais completa informação genética em mãos, Murray contestou: “verificou-se que a população abaixo da linha de pobreza nos Estados Unidos tem uma configuração de constituição (makeup) genética relevante que é significativamente diferente da configuração da população acima da linha de pobreza”.

De facto, como observa Oliver Jones numa nova análise, as coisas não se apresentaram deste modo de forma alguma. A “extensa investigação do genoma” desde o ano 2000 não revelou qualquer “constituição genética” que predisponha algumas pessoas para o “êxito” e a riqueza e outras para a doença e a pobreza.

“Agora sabemos”, observa James, “que os genes desempenham um pequeno papel na razão para um irmão, uma classe social ou um grupo étnico ter mais probabilidade de sofre de problemas de saúde mental do que outro”.

O Journal of Child Psychology and Psychiatry apresentou exactamente o mesmo ponto num editorial do princípio deste ano. A ciência séria, declarava o editorial, agora concentra-se mais do que nunca “sobre o poder do ambiente” e “todos excepto os deterministas genéticos mais teimosos tiveram de rever o seu ponto de vista”.

“Os factores biológicos não existem num vácuo, hermeticamente selados de factores sociais e ambientais”, acrescentou na semana passada o bioético Daniel Godlberg, da Carolina do Norte, num comentário sobre a nova análise de Oliver James. “Assim, mesmo a tentativa de separar o biológico e o social não faz o mínimo sentido”.

Assim, o que faremos com o nosso novo entendimento da genética? Como podemos construir sobre o que agora sabemos a fim de ajudar a moldar sociedades mais saudáveis? James está a sugerir uma sequência de três passos.

Primeiro, aconselha o psicólogo, vamos “criar uma sociedade na qual o máximo de oportunidade para uma vida mentalmente saudável e realizada seja mais importante do que enriquecer uma minúscula minoria”. Segundo, vamos “colocar o atendimento das necessidades das crianças, especialmente as mais pequenas, à frente de todas as outras prioridades”.

E, terceiro, vamos cultivar (nurture) as condições sócio-económicas que maximizam a saúde mental. James explica: “Isto significa criar maior igualdade económica, condições de trabalho muito mais seguras, muito maior flexibilidade de emprego para pais de crianças pequenas e uma semana de 35 horas”.

Temos, reconhece James, “nem uma mínima possibilidade de algo disto acontecer até que os políticos entendam o que a ciência está a dizer-nos”.

Os cientistas podem precisar de falar mais alto. E o resto de nós? Podemos precisar ouvir mais atentamente.

[NT] Affluenza: União das palavras affluence (riqueza) e influenza (gripe), significando o desejo extremo de obter bens materiais ou o sentimento de insatisfação e ansiedade provocado pela busca obsessiva e incessante para obter sempre mais.

O original encontra-se em http://www.toomuchonline.org/tmweekly.html

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/

Anúncios

Um comentário em “Mais uma razão para a direita odiar a ciência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s