O SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO NA GRÉCIA SE ESFUMA NA ALIANÇA DO SYRIZA COM A EXTREMA DIREITA XENÓFOBA


Antonio Carlos Mazzeo*

É uma infelicidade da época, que os doidos guiem os cegos.”

William Shakespeare

Acabo de ler nos sites dos jornais europeus que o Syriza selou um acordo com o partido de extrema direita, Gregos Independentes, para formar maioria no governo. Todas as previsões de analistas sérios já apontavam para essa possibilidade. Obviamente, a direita não deixou de fazer suas exigências programáticas para compor com o Syriza.

A questão de fundo é que o Syriza não abriu mão, em seu programa de governo, da manutenção da Grécia na zona do euro e, por consequência na aliança imperialista, a OTAN, o que impossibilitou a unidade à esquerda, com o Partido Comunista, o KKE. Pior ainda, aliou-se à extrema direita xenófoba!

O Syriza critica genericamente a política econômica de “austeridade” imposta pela troika (FMI, BCE e Comissão Européia), mas permanecendo na zona do euro terá que negociar com a mesma troika uma proposta que o credencie junto à liderança da UE, especialmente com a Alemanha de Merkel, a França de Holland e a Inglaterra de Cameron.

É importante reafirmar que, em nenhum momento, o Syriza acenou com a possibilidade de retirar a Grécia da política do euro e do arrocho aos trabalhadores. Como afirmou o deputado comunista Kostas Papadakis, o Syriza será a nova socialdemocracia em que a burguesia europeia apostará para reformar e modernizar o capitalismo grego. A aliança com a direita dos Gregos Independentes é o aceno direto à burguesia européia que não está posto no horizonte nenhum projeto de ruptura com a UE/OTAN ou com o capitalismo

Nesse sentido, mais coerente é o PC da Grécia, o KKE, que em sua análise da situação grega aponta a necessidade de se romper com os grilhões da UE, isto é, atuar no sentido de não pagar a dívida e de sair da OTAN. A crítica central do PC grego é que para além de uma retórica eleitoral, não há qualquer proposta concreta para solucionar o brutal arrocho dos salários e de recuperar as perdas de conquistas, por parte dos trabalhadores.

Indo mais longe, Papadakis afirma que apesar de duro e penoso, o caminho para recolocar a Grécia em situação favorável aos trabalhadores e pequenos agricultores é a saída da UE e a construção do projeto socialista.

Para os que embalaram sonhos com a socialdemocracia, rapidamente a noite de verão transformou-se em tempestade em que no mesmo barco navegam “socialistas” lights e a direita xenófoba.

Apesar de não ser apresentada por escrito, o Syriza acaba de declarar sua “Carta aos Gregos”, leia-se, a subserviência à União Européia e à OTAN.

*Professor da USP e membro do Comitê Central do PCB

http://pcb.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=8139

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s