Marx, Darwin e a tragicômica “dedicatória d’O Capital”

Imagem de capa da primeira edição de
Imagem de capa da primeira edição de “Das Kapital”, em 1867.

Por Lucas Parreira Álvares[1]

Acervo Crítico

Alguns meses atrás participei de um debate na Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG (FACE) que se desenvolveu a partir das discussões do livro Marx at the Margins de autoria de Kevin Anderson, que estava presente no debate. Em determinado momento, o renomado professor da casa João Antônio de Paula, numa tentativa de estabelecer uma aproximação entre Marx com o pensamento evolucionista, mencionou o tal episódio em que “Marx pretendia dedicar O Capital à Charles Darwin”. Por já saber que na verdade essa suposta dedicatória não passava de um grande mal entendido, contestei, naquele instante, a fala do professor João Antônio de Paula que em seguida me respondeu: “mas isso é fato, está documentado”. Coube, em seguida, ao professor Kevin Anderson – com maior propriedade, e com toda sua elegância – explicar o imbróglio. Continuar lendo “Marx, Darwin e a tragicômica “dedicatória d’O Capital””

Anúncios

Comitês Populares Democráticos

Resgatando experiências dos comunistas brasileiros para ajudar no trabalho de base atual

Coordenação Nacional da UJC

Por: Lucas Prestes*

Ao longo da história das organizações comunistas brasileiras (estamos falando é claro de PCB, UJC e outras frentes e instrumentos relacionados aos dois), seguindo os princípios leninistas de organização, o trabalho de massas dos comunistas teve destaque principalmente em duas áreas de atuação: local de trabalho e local de moradia. Obviamente que a militância comunista não se limitou a estes dois espaços, porém a força do partido ao longo das décadas foi mais visível com nossos trabalhos nestes locais. Continuar lendo “Comitês Populares Democráticos”

Um raio-x na democracia

Um raio-x na democracia*

Por Thales Emmanuel**

“Tudo se discute nesse mundo, menos uma única coisa: a democracia. Ela está aí, como se fosse uma espécie de santa no altar, de quem já não se espera milagres, mas está aí como referência.”

José Saramago

O imperialismo made in USA invade constantemente países em seu nome. A exportação armada e midiática da democracia coincide com a expansão da fome a índices nunca antes sentidos. Na manhã de 1° de abril de 1964, o golpe empresarial e militar no Brasil alvoreceu com o jornal O Globo noticiando: “Ressurge a Democracia!” Atualmente, um presidente usurpador impõe uma série de medidas contrárias ao povo e à opinião da maioria, povo e maioria que diz representar evocando respeito às regras democráticas. Como se a tivessem perdido e quisessem resgatá-la, vozes reagem gritando “Diretas Já!” e, civilizadamente, aguardam por 2018. Alguns a confundem com o voto. Será proposital? Outros a dissimulam de modo diverso, identificando-a com a alternância de siglas em cúpulas de governos. Os meios de comunicação que reproduzem repetidamente essas ideias pertencem a oito famílias apenas, num país com mais de 200 milhões de habitantes. Liberdade de imprensa? Liberdade para quem? As pessoas que não aceitam a imposição do modelo único de democracia são taxadas de vândalos e baderneiros na televisão. Nas periferias das cidades e do campo, Amarildos e Cláudias são chacinados cotidianamente sem jamais terem sido apresentados a ela. Afinal de contas, quem és tu, democracia? Continuar lendo “Um raio-x na democracia”