A VOLKSWAGEN E A DITADURA

Segundo documentos, a empresa realiza voluntária e conscientemente o trabalho de polícia política.

E com ex-comandantes de campos de extermínio, um homem condenado (mais tarde) por 400 MIL ASSASSINATOS:

Video: Komplizen? – VW und die brasilianische Militärdiktatur (Port.)

http://www.daserste.de/information/reportage-dokumentation/dokus/videos/komplizen-vw-und-die-brasilianische-militaerdiktatur-114.html

Lula 2018 é a melhor alternativa para a burguesia

Giovanni Frizzo*

Em meio à abertura deste novo ciclo de lutas sociais, ainda de caráter embrionário, as disputas entre as frações da burguesia se expressam nas formas mais nefastas de subordinação do Estado aos seus interesses. É fato que a política econômica não está em disputa. A burguesia se unifica em torno das medidas que transformam direitos sociais em lucratividade para o capital, tal como a terceirização, a reforma trabalhista e da previdência que operam ataques profundos ao povo trabalhador para “resolver” os problemas do empresariado em sua ganância pela rentabilidade do capital. Ao mesmo tempo, em meio à crise político-institucional do país, as movimentações são canalizadas para a sucessão da presidência da república, mesmo que seja interinamente até as próximas eleições em 2018. Continuar lendo “Lula 2018 é a melhor alternativa para a burguesia”

Por que não defendemos as Diretas Já?

Gabriel Landi*

O PCB está entre o reduzido número de organizações socialistas a não erguer a palavra de ordem por eleições gerais antecipadas – e, dentre estas, na ainda mais reduzida posição de quem não trata tal palavra de ordem com sectarismo, quase como que se fosse reacionária. Justamente rechaçando tal postura, muitas vezes não trava a polêmica mais abertamente, e se dispõe à mediação nas convocações unitárias. Resume sua posição nos seguintes termos:

“Além disso, de qualquer forma, não se pode desconhecer que há um clamor entre expressivos setores da sociedade e, especialmente, entre os companheiros da esquerda, pelas “eleições diretas já”, como saída para a crise. É compreensível a ansiedade e o desejo de se livrar do governo usurpador. Como lutadores históricos pela unidade popular, estaremos em todas as batalhas pelas mudanças no país e lutaremos ombro a ombro com os companheiros que defendem as “eleições diretas já”, a fim de mantermos a frente única contra Temer e as contrarreformas. Para os comunistas do PCB, não devemos alimentar mais ilusões com a democracia burguesa. A corrupção é endêmica ao capitalismo, e as eleições burguesas refletem a desigualdade econômica e social. Continuar lendo “Por que não defendemos as Diretas Já?”